O Fim do Mundo

Reação dos fãs:

1

Duração: 107 minutos

Data de Estreia: 13 / 09 / 2019

Orçamento: Sem Informação

Receita: Sem Informação

Linguagem: Portiguês

Status: Lançado

Produtora /s:

Thera Production RTS

Tua reação:
1

Partilha

Review

ranting

Reviews: 116
Seguidores: 2


O Fim Do Mundo

Reação dos fãs:

0

30 / 08 / 2020

O “Fim Do Mundo” de Basil da Cunha é a segunda longa metragem do realizador lisboeta, ele que é natural do bairro da Reboleira. É importante dizer isto porque todo o filme se passa neste bairro é sobre as pessoas e a vida deste bairro.

É um filme que pretende demonstrar as dificuldades que os jovens passam neste bairro, a vida que foi escolhida para eles e que eles não escolheram porque ali nasceram e ali têm de sobreviver.

Esta ficção conta a história de um rapaz que, depois de 8 anos numa escola de correção, volta ao bairro. Mas volta estranho, ou pelo menos é o que os amigos de sempre dizem… Uma personagem incrível que parece ter passado por muito nos anos em que esteve na escola de correção e volta ao bairro pasmado em perceber que nada mudou ou que tudo está pior. Spira, o nome desse rapaz que volta agora ao bairro, vai tomar ações que a vida lhe ensinou a tomar e que a vida o obrigou a tomar, para poder sobreviver e ajudar os seus.

É uma história de amizade, companheirismo e amor que Spira vive neste filme e que nós vemos crescer através de uma narrativa e um argumento muito bons de Basil da Cunha. Este realizador consegue usar os elementos bairristas, com uma banda sonora impecável para contar uma história que estes atores interpretam brilhantemente criando, assim, um filme que deve ser visto por todos.

Quero ainda referir a linha ténue que o argumento tem entre o humor e o drama, muitas vezes estamos a rir-nos do discurso ou das ações de algumas personagens (principalmente o Giovani) mas, logo a seguir, somos impactados com mais uma injustiça, mais uma situação triste que faz as nossas emoções virem cá para baixo. Criar essa flutuação emocional no espectador é, na minha opinião, aquilo para que o cinema vive e este filme fá-lo muito bem.

Basil da Cunha tem aqui um trabalho importantíssimo de luta contra as demolições das casa de pessoas daquele bairro, usa o cinema como arma de pensamento e luta contra injustiças que aquela população vive todos os dias e é ótimo voltar a ver cinema de protesto que é bonito, dinâmico e nada mas nada chato ou aborrecido.

Este filme teve estreia nacional no IndieLisboa (depois de ter sido mostrado num festival na Suiça) e chega às salas de cinema nacionais no próximo dia 17 de setembro.




Transmita tua reação:


0
Beta 1.0

Por favor faça login primeiro