A Maldição de Hill House

Reação dos fãs:

0

Temporadas: 1

Data da Estreia: 12 / 10 / 2018

Última Temporada: 12 / 10 / 2018

Total de Episódios: 10

Duração por Episódios (aprox): 50 minutos

Em Produção: Não

Linguagem: Inglês

Produtora /s:

Netflix

Tua reação:
0

Partilha

Sinopse

Entre o passado e o presente, uma família dividida enfrenta as memórias perturbadoras da sua antiga casa e os eventos aterradores que os obrigaram a abandoná-la.

Review

ranting

Reviews: 88
Seguidores: 2


A Maldição de Hill House

Reação dos fãs:

0

01 / 09 / 2020

Não é que o terror seja um dos meus géneros favoritos, mas de vez em quando vou vendo algumas obras que até me surpreendem pela positiva. Eu tenho dificuldades em “levar a sério” o terror, o que depois influência a minha experiência. Se não me assusta então qual foi o objetivo, não é?

A Maldição de Hill House estava a ser um sucesso no meu grupo de amigos. Até que pensei, bem lá terei de ver para saber o motivo de tanto aparato. Bom, a série tem de terror como de dramático, mas não é um terror sangrento, é um terror psicológico.  

Começa com a história do simpático casal, Olivia (Carla Gugino) e Hugh Crain (Timothy Hutton), que no Verão de 1992 mudam de casa juntamente com os seus 5 filhos Steve (Michiel Huisman), Shirley (Elizabeth Reaser), Theodora (Kate Siegel) e os gémeos Luke (Oliver Jackson-Cohen) e Eleanor (Victoria Pedretti). Vão viver para uma mansão chamada de Hill House e o objetivo do casal é remodelar a casa por completo e vender. 

A história é contada entre o verão de 1992 e a atualidade. Temos cenas da família na nova casa, cada um deles a descobrir cantos sombrios, e depois saltamos para a atualidade e percebemos que Olivia morreu.

Este é o primeiro sinal de que o verão de 1992 não foi bom!  Viver em Hill House deixou marcas profundas e medos em todos os membros da família. E vamos conhecer todos esses traumas ao longo dos 10 episódios.

No final da temporada percebemos, que esses fantasmas e monstros são um reflexo deles próprios. Estas assombrações atraem os irmãos de volta à casa, que se alimenta deles, tal como aconteceu com a mãe deles. Parece que Hill House traumatizou a família para mais tarde atraí-los de novo lá e alimentar-se deles!

Mas não posso deixar de mencionar o que para mim foi o melhor da série. O quinto episódio é brilhante! É aqui que tudo muda e que a família começa a perceber a raiz das assombrações. Mas a personagem destaque é a de Victoria Pedretti, Nell Crain.

Neste episódio, que acho ser soberbo, existe um grande realce nos discursos profundos e existenciais e faz-nos até esquecer que estamos dentro de uma história de terror.

Surpreendentemente, não é o medo o principal condutor do terror, mas sim as poderosas personagens. Espero que não me entendam mal, há muitos momentos de horror que dificilmente vamos esquecer mas isto é nos entregue na complexidade das personagens e nas relações familiares que têm. 

Malta, Hill House vive! Não tem coração, só estômago. Precisa de almas de quem lá vive ou viveu. É uma casa com vida e que se alimenta da morte.

Todos os momentos de terror são difíceis de esquecer. E é na complexidade das relações das personagens que Mike Flanagan conseguiu deixar-me com o coração acelerado e a dormir outra vez de luz acesa (ok, foi só uma noite).

Seja considerada terror ou drama, é uma das melhores séries que já vi!




Transmita tua reação:


0
Beta 1.0

Por favor faça login primeiro