Le Mans '66: O Duelo

Reação dos fãs:

0

Duração: 152 minutos

Data de Estreia: 13 / 11 / 2019

Orçamento: $ 97.600.000

Receita: $ 225.508.210

Linguagem: Inglês

Status: Lançado

Produtora /s:

20th Century Fox Chernin Entertainment

Tua reação:
0

Partilha

Sinopse

Baseado na história real do visionário “car designer” Carroll Shelby e do destemido piloto britânico Ken Miles. Juntos lutaram contra os regulamentos, as leis da física e os seus próprios demónios com o objetivo de construir um carro de corrida revolucionário para a Ford Motor Company e vencer os carros de Enzo Ferrari nas 24 Horas de Le Mans em França (1966).

Review

ranting

Reviews: 60
Seguidores: 2


Le Mans' 66: O Duelo

Reação dos fãs:

0

04 / 09 / 2020

James Mangold é um realizador que ao longo dos anos mostrou que pode fazer quase tudo. Não só pode, como o faz bem e vai desde comédia a filmes de super-heróis, dramas, mistérios e sempre com atores incríveis. Le Mans´66: O Duelo é uma espécie de fusão de tudo num único filme.


Mangold vai de 8 a 80 com uma facilidade incrível. Sabe como equilibrar a história com mais cenários de ação e deixa livremente os seus atores extraordinários a brilhar e a encararem as personagens como se fossem deles.
O problema deste filme é que em 152 minutos vemos muito destas personagens públicas e não o suficiente de quem realmente eram e o que os movia. A parte da corrida é incrível e filmada com perfeição, faz-nos quase sentir dentro das corridas, mas quem não é fã ou não tem algum gosto por automóveis vai, talvez, considerar um pouco demais.


Christian Bale, como na maioria dos filmes, rouba o espetáculo todo. A sua atuação é genuína, e mesmo com o sotaque que utilizou, nunca vemos no ecrã Bale, mas sim Ken Milles. A química com Matt Damon foi brutal, sentimos a amizade e admiração um pelo outro e encaixou perfeitamente na história.


O resto do elenco também faz um ótimo trabalho, mas a maioria sinto que foi colocada demasiado tempo no banco de trás. Tracy Letts faz um ótimo trabalho como Henry Ford II, e mesmo que o tempo em tela fosse muito pouco, conseguiu impressionar. Imaginem o que conseguia ser com mais tempo em ação.


Além disso, preciso de destacar os aspetos técnicos do filme que ficam ainda mais evidentes em Dolby Atmos. O som é incrível e transporta-nos diretamente para o meio das corridas e honestamente consigo percebe porque foi um favorito aos Oscáres.


É um bom filme que se eleva por todo o talento envolvido, tem algumas sequências divertidas e incríveis realizações técnicas que carregam o filme até ao próximo nível. Carece de energia e um pouco da irreverência de outros filmes de Mangold e até poderíamos ter tido um final totalmente diferente e não tão aborrecido. 




Transmita tua reação:


0
Beta 1.0

Por favor faça login primeiro